segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Sociedade a deriva




Em Junho Tucuruí tinha 5.500 bolsas família, num universo de 25.000 domicílios.
Em Agosto o total de bolsas passou para 7.500, o que representa 30% dos domicílios.
Em Breu Branco, município vizinho a Tucuruí, o número de bolsas família é de 5.500, para um universo de 15.000 domicílios, o que representa 37% das famílias daquele município.
O comércio comemora a entrada de recursos que somados aos valores recebidos pelos aposentados, a maior renda desses municípios, o seguro desemprego e o pagamento do seguro pago aos pescadores no período do DEFESO, época de proibição da pesca, representam um volume financeiro considerável.
O pessoal do serviço social dos município, responsável pelo sistema bolsa família enquanto os responsáveis pelo desenvolvimento económico e social desses municípios, se houvessem responsáveís por isso, estariam em pânico.
Tais números são o testemunha cabal de que nossas cidades estão a deriva, em termos de planejamento sócio-económico, sem nenhuma definição quanto as atividades econômicas, sem nenhum incentivo ao desenvolvimento sustentado.
Temos problemas ambientais, educacionais, de infira-estrutura e culturais e não vemos nenhuma iniciativa das autoridades municipais e estaduais no sentido de mudar esse quadro.
Enquanto isso idosos sustentam filhos e netos com salário mínimo do INSS, mães correm atrás de registrar os filhos, não porque entendem que o registro representa cidadania, mas sim pela bolsa família que esse registro proporciona e "políticos" em busca de votos cativos, emprenham a lista de pescadores, fazendo pessoas que nunca pescaram receberem o seguro devido aos verdadeiros pescadores, com muita justiça, durante o período do defeso.
Terminadas as grandes obras, Hidrelétrica e Eclusas, serrarias paralisadas por problemas ambientais, pecuária com problemas, uma vez que os bois pastam em áreas onde deveria ser floresta que foram desmatadas ilegalmente e hoje as autoridades ambientais pressionadas pelas ongs internacionais criam dificuldades para a comercialização da carne bovina produzida na região.


Podemos afirmar que a sociedade regional não está somente a deriva, mas a deriva em uma tempestade e cachoeira abaixo.

4 comentários:

Celina disse...

Mais uma vez parabéns...
Vc é ótimo meu mano!!!

Osorio Pacheco disse...

E o pior é que não vemos iniciativas para mudar esse triste quadro, lamentável.
Firmo Giroux

Luiz André Barata disse...

A tarefa de blogueiro não é nada fácil. Primeiro, precisamos brigar contra essas novas tecnologias, que se fazem presentes e que não fazem parte da nossa herança cultural. Diferentemente dos nossos filhos e netos, que nasceram na internet, nós temos que fazer um esforço grnade para acompanharmos blog, orkut, twitter, e outras cositas que o mundo moderno nos apresenta como novos meios de comunicação.

Depois, a tarefa messiânica de um blogueiro, a de postar com frequência as novidades, de buscar novas maneiras de dizer coisas às vezes corriqueiras e tentar buscar a maior quantidade de adeptos, é realmente uma batalha diária.

Além disso, ainda, como blogueiros, estamos expostos a críticas que em alguns momentos, fere a moral e até as nossas famílias, quando na verdade só se pensa em dar uma opinião a respeito de alguém ou de algo, especialmente na área política.

Essa área então, é um capítulo a parte. Quando um blogueiro tenta ser suprapartidário, ele é taxado de "não tomar paritdo nenhum, de estar em cima do muro", e quando toma, fica ainda pior, os adversários vem ao blog e acham que podem transformar um espaço democrático de discussões em ringue de boxe.

Mesmo assim e com tudo isso, é muiot bom ver amigos se aventurarem nesta aventura enebriante que é ter um blog. Poder dizer ao mundo a sua própria versão, e ter esse espaço como instrumento de educação é sempre muito, muito bom.

Parabéns pela iniciativa, amigo, e força!

Lembro de uma citação só pra dar sorte ao blog, de um cara inexpressivo, como você pode ver, mas que é a mais pura verdade, especialmente para os blogueiros.

"Não existe virtude que a calúnia não saiba atingir." William Shakespeare (1564-1616)

Boa sorte e mais uma vez, parabéns!

Celina disse...

Gostei muito da sua análise sobre a sociedade e a economia regionais. Realmente o Pará está com aparência de abandonado, mas a gente sabe que isto não é só aparência, é a trsite realidade mesmo. Parabéns!!! Maisa Cerqueira